Artigo: O serviço por interesse próprio



Vivemos momentos difíceis, tempos em que o amor de muitos têm se esfriado. Boa parte desta realidade está ligada aos atuais desafios da igreja, o evangelho pregado nossos dias tem sido um instrumento de enriquecimento e conquistas particulares, a falta da verdadeira doutrina tem contribuído para o surgimento de um perfil de igreja com fraca base bíblica e de pessoas que acreditam servir a Deus, mas acabam servindo os seus próprios interesses. A Palavra declara, conhecereis a verdade e ela vos libertará, se a pregação não estiver no cerne desta verdade, teremos pessoas que continuarão cativas achando que estão vivendo uma perfeita "vida cristã". É somente pela sã doutrina de Cristo que temos o perfeito entendimento das coisas de Deus, podendo desfrutar de um relacionamento permanente com o Criador. No Artigo "Fé nos nossos dias" falamos de uma realidade triste que tem rodeado as nossas igrejas: A Falsa Doutrina da prosperidade e o engano da utilização de uma fé com bases em barganhas.

Quando aceitamos a Cristo, estamos publicamente declarando ao mundo que não fazemos mais parte dele, o estilo de vida muda, o círculo de amizades não é mais o mesmo, o padrão de vestimenta e a linguagem passam também por transformação. Aos olhos humanos, estas mudanças são bem visíveis e geram até certo ponto estranhamento, no entanto, o que valida esta transformação nos tornando nova criatura é a mudança no nosso interior. Isto só acontece de fato através de uma coisa; A morte! Apenas pela morte de Cristo podemos ter a vida de Deus. Em outras palavras morrer esta morte significa a renuncia do eu, Jesus declarou:


"Se alguém quiser vir após mim, negue-se a si mesmo, tome a sua cruz e siga-me. Pois quem quiser salvar a sua vida, a perderá, mas quem perder a vida por minha causa e pelo evangelho a salvará." Marcos 8:34-35


É possível seguir a Cristo sem morrer? Aparentemente é possível! Os discípulos passaram por esta experiência durante os três anos e meio do ministério de Jesus na terra. Os judeus da época de Jesus (histórico), assim como nos tempos atuais, esperavam o Messias como o Rei de Israel, num âmbito governamental. Voltando os olhos as escrituras, é verdade que Deus prometeu a Davi que não faltaria um sucessor no trono de Israel (II Sm 7:16; I Cr 22:8-10; II Cr 7:17-22), mas o que os Judeus não compreenderam era que o Filho de Deus, o Messias, viria como homem para redimir o seu povo do pecado, morrendo na Cruz (Atos 03:18) . Durante o período do discipulado, os discípulos acreditavam que Jesus era o messias, mas esperavam que ele assumisse o trono. Podemos observar em suas atitudes o estranhamento quando Jesus afirmava que deveria morrer. Por algumas vezes no Evangelho de Marcos vemos Jesus falando aos discípulos que era necessário ir para Jerusalém e morrer (Marcos 09: 31 e 10:33), que o Filho do homem seria entregue nas mãos dos homens e estes o matariam, mas eles não compreendiam (Marcos 09:32). O foco dos discípulos estava em andar com o Rei dos Judeus para se tornarem grandes. Não foi a toa que Jesus declarava aos discípulos que o seu parâmetro de grandeza entre os homens não se assemelhava aos dos governantes, mas que o maior dentre eles seria aquele que fosse servo (Mateus 23:11/Marcos 10:44).

Este sentimento de se obter vantagens através do serviço a Cristo norteou as relações dos discípulos ao passo que muitas vezes estar com o Mestre era sinônimo de status. A morte de Jesus trouxe a luz os sentimentos que estavam ocultos em seus corações. Entendemos que apenas através da "renuncia do eu" é possível servir a Deus e seguir assim a sua vontade. Para compreenderem as escrituras os discípulos necessariamente tiveram que passar pela Morte de Cristo.


"Depois lhe disse: São estas as palavras que vos falei, estando ainda convosco, que importava que se cumprisse tudo o que de mim estava escrito na Lei de Moisés, nos Profetas e nos Salmos. Então lhes abriu o entendimento para compreenderem as Escrituras; e disse-lhes: Assim está escrito que o Cristo padecesse, e ao terceiro dia ressurgisse dentre os mortos." Lucas 24:44-46


Antes da cruz tínhamos 12 homens covardes, que procuravam obter vantagens e que compartilhavam entre si o mesmo sentimento: serem reconhecidos. Depois da cruz temos agora 11 homens corajosos que procuravam acima de tudo fazer a vontade do Pai, compartilhavam entre si o mesmo sentimento: que eu diminua para que ele cresça. Compreenderam que é primordial para quem deseja servir a Cristo a renuncia.


Que o nosso serviço diante do Pai possa ter como único motivo: o desejo ardente de honrá-lo acima de todas as coisas, inclusive acima dos nossos próprios interesses.


Em Cristo,
Bruno Nakakura.

Licença Creative Commons

Esta obra foi licenciada sob uma Licença Creative Commons.




comments powered by Disqus
© 2014 Bruno Nakakura - Todos os direitos reservados